terça-feira, 2 de agosto de 2011

Indignação!

14 de Maio de 2010! Esta data diz algo, a alguém? E 2 de Dezembro de 2010? Sim? Não? Bom, não admira! Não admira que esta sociedade não saiba, não queira saber e se esteja perfeitamente nas tintas para os dias em que desapareceram duas figuras de proa, de luxo e de respeito na nossa "sociedade". Prof. Saldanha Sanches. Professor Ernani Lopes. E que lhe fez a sociedade? Pouca coisa, uma ou duas notícias nos jornais rádios e televisões. Perderam-se dois faróis da democracia, fiscalidade e economia e nada... Entretanto, algures num quarto de hotel em Nova Iorque, também em 2010, um jovem de 21 anos enche-se de coragem e num acesso de raiva, mata e mutila um velho maricas de 65 anos. Alguém que era "conhecido"por dizer cobras e lagartos de uns e de outros... e que faz a sociedade?! Não... não... não irão erguer uma estátua ou dar o nome de uma rua, ou sequer apoiar publicamente um jovem de 21 anos, que arrastado para um meio de proxenetas e prostituição que é o da moda e do mediatismo, não aguentou a pressão de uma bicha que o queria apalpar e sodomizar e o castrou... não... antes pelo contrário! Esqueçam-se Saldanha Sanches, José Torres, Hernani Lopes, Carlos Pinto Coelho, Mariana Rey Monteiro, Rosa Lobato Faria, Matilde Rosa Araújo, Mário Bettencourt Resende, Virgílio Teixeira. TODOS desaparecidos em 2010. E claro, não me posso esquecer, nem nunca o farei. Esse senhor do entretenimento, com inteligência, que foi António Feio. O país chorou esse homem, esse actor, esse lutador que desapareceu em 2010.
Que lhe fizemos? Nada, esquecer...
Agora querem dar o nome de rua a um parasita que "escrevia umas crónicas" e ... levava nas nalgas.
Aí está o lobby da paneleirice em movimento...

2 comentários:

Anónimo disse...

Nós somos assim, o que se há-de fazer, dum Povo pouco esclarecido, e com uma comunicação social que embandeira em arco com histórias de «faca e alguidar», ainda hoje abri um jornal que informa que é o de maior tiragem do País e que tinha 14 páginas 14, de noticias de facadas navalhadas tiros e outras meiguices, e o meu Povo gosta disto, se assim não fosse esse jornal não tinha a tiragem que tem.
Tudo o que cheire a coisa séria, não dá para perder tempo, é uma chatice, e assim lá vamos cantando e rindo, sabe-se lá por mais quantas Gerações.
Um abraço
Virgílio

edumanes disse...

Não gosto de viver às escuras, por isso venho para onde ainda há luz.
Quanto aos ilustres senhores professores Saldanha Sanches e Ernâni Lopes, e muitos outros mais. As luzes apagaram-se para sempre. Cujas televisões quase não transmitiram a notícia.
Já quanto à morte de Carlos Castro e Angélico Vieira. Durante muitos dias quase não falaram de outra coisa.
Não tinha nada contra estes dois últimos. No entanto, deixo aqui o meu desagrado da maneira como uns e outros foram tratados pelas televisões. Paz a suas almas.

Continuação de boa semana,
Um abraço
Eduardo.